×
Logomarca

IML volta a afirmar que Maluf tem doença grave, mas pode seguir preso 

por Mariano Maciel 9 de janeiro de 2018

Novo laudo emitido pelo Instituto Médico Legal (IML) de Brasília aponta que o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) pode continuar preso no presídio da Papuda. O documento foi entregue ontem à Justiça Federal.

As conclusões foram feitas em resposta a questionamentos da defesa do deputado. De acordo com o IML, mesmo com as “doenças graves”, não há nenhum impedimento para que Paulo Maluf continue preso, “desde que assistido pela equipe médica”.

O laudo foi enviado ao juiz Bruno Aielo Macacari, que irá decidir sobre pedido feito pelos advogados para que Maluf cumpra sua pena em prisão domiciliar. Em seu pedido, a defesa do parlamentar argumenta que o deputado sofre de problemas de saúde, entre eles câncer de próstata, hérnia de disco, problemas cardíacos e movimentos limitados. Eles alegam ainda que o presídio não pode prestar atendimento adequado em situações de urgência.

Antes da decisão, o magistrado ainda irá colher esclarecimentos do Presídio da Papuda, do Ministério Público e da própria defesa do deputado.

Paulo Maluf se entregou à Polícia no dia 20 de dezembro, após o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, determinar, no dia anterior, que o deputado cumprisse sua pena de sete anos, nove meses e dez dias de prisão. O parlamentar foi condenado pelo Supremo em maio do ano passado pelo crime de lavagem de dinheiro.

Segundo a acusação do Ministério Público Federal (MPF), o deputado teria usado contas no exterior para lavar recursos desviados da Prefeitura de São Paulo entre 1993 e 1996, período em que foi prefeito da cidade. Os recursos teriam vindo da construção da Avenida Água Espraiada, que hoje é chamada Avenida Roberto Marinho. Os procuradores estimam que tenham sido movimentados US$ 170 milhões.

Comentários

O Portal Direto do Planalto informa aos seus leitores que não se responsabiliza pelas consequências jurídicas sobre as opiniões divulgadas nos campos de comentários, e que as postagens de conteúdo ofensivos serão excluídos da página.